Mazurka


Oficina de Rute Mar

Origem:

A mazurka – em polaco mazurek – tem as suas origens na Polónia, na região da Masúria, no séc. XVI.

A expressão mazur, pela qual era conhecido o povo da Masúria, era também utilizada para fazer referência à mazurka como a dança do povo mazur.

Era originalmente uma dança folcórica de pares em roda, geralmente acompanhada por gaitas-de-foles, e foi muito popular em Varsóvia.

No período Barroco o seu espírito alegre contagiou, para além da corte Polaca, outras partes da europa, vindo a transformá-la numa dança aristocrática.

Durante o séc. XIX disseminou-se pelos salões de baile de toda a europa, espalhando-se pela Rússia e Alemanha e chegando a Inglaterra e França por volta de 1830.

Foram vários os compositores clássicos da era romântica incluiram as mazurcas no seu vasto repertório, como Frédéric Chopin na suas célebres, intrincadas e virtuosísticas mazurkas para piano.

No entanto, a mazurca de que aqui falamos e que conhecemos, enquanto dança folk, voltou a popularizar-se em França e na Bélgica, evoluindo para uma dança mais intimista, registo mais familiar nos dias de hoje.

Sendo uma das danças tecnicamente mais exigentes, é dançada a pares, onde a confiança, a sintonia e a comunicação entre os intervenientes – individualmente e no colectivo – é de extrema importância. é também, por isso, uma das danças mais bonitas e apreciadas nos baile folk actuais, onde impera um diálogo não-falado e em alguns casos, quase poético, entre os bailadores e a música.

A mazurca difundiu-se por toda a europa durante o século XIX e Portugal não foi excepção, tal como sucedeu com outras danças europeias, ganhando, a nível popular, o nome de “Valsa de Dois Passos” ou “Moda de Dois Passos”.

Em Cabo Verde a mazurka surge da fusão de estilos e influências que a cultura do país sofreu.

A Mazurka Cabo Verdiana é uma adaptação da versão europeia, um compasso ternário que tem como característica a acentuação no 2º ou 3º tempo, o que lhe atribui um estilo mais alegre e sincopado. Esta dança é ainda hoje muito popular em Cabo Verde e é dançada sobretudo nas ilhas de Stº. Antão, S. Nicolau e Boavista.

Apoios

Artes do Oriente

Apoios

Apoios